Meio&Mensagem

Siga-nos

Publicidade

Realidade nada virtual, VR se torna aplicação prática da 5G

MWC tem demonstrado que algumas tendências de três anos atrás viraram modelos de negócios factíveis e que já estão em plena operação nas redes de quinta geração

Sergio Damasceno Silva
1 de março de 2022 - 15h53

A demanda por realidade virtual (VR) está em fase de expansão, sobretudo conforme redes 5G são lançadas ao redor do mundo. A Mordor Intelligence prevê que, de 2020 a 2026, a VR aumentará em valor de US$ 17,25 bilhões para cerca de US$ 184,66 bilhões. Esse crescimento é enorme e, em última análise, possibilitado pelo streaming de dados aprimorado, latência reduzida e maior confiabilidade da 5G, o que torna a VR acessível para consumidores e empresas mais do que nunca. No mundo pós-pandemia (é como o MWC tem trabalhado esta edição), os ambientes de realidade virtual podem fornecer novas maneiras para funcionários e clientes se conectarem, colaborarem e interagirem. Essas ferramentas podem abrir caminho para novos níveis de inovação, sem desperdício de recursos e despesas, e podem ajudar as organizações a criar o tal “novo normal” em seus ambientes de negócios.

“Temos trabalhado em verticais diferentes para experimentar o que a imersão fará para esses novos espaços. Entre nossos clientes, mais de 50 % afirmam que adorariam passar o tempo no meio fazendo coisas pessoais, tendo vida social, e não apenas trabalhar. Isso significa que as expectativas são muito altas e creio que temos um caminho cheio de trabalho nos próximos anos para experimentar. E o que a 5G pode fazer pelo seu negócio? Como descobrir que você pode ajudar a desbloquear um pouco desse potencial? Estamos ajudando a armar esse ecossistema porque a 5G não é algo que apenas as operadoras podem fazer”, afirma a vice-presidente executiva da Orange Innovation Marketing & Design, Karine Dussert-Sarthe. Exemplo recente do que a Orange fez com VR baseada em 5G é a restauração recente da catedral de Notre Dame em Paris, devastada por incêndio em 2019. A Orange, que é uma das principais operadoras da França, usou VR para ajudar no processo de restauração e assegurar o padrão tanto de restauração da catedral quanto para avançar no conteúdo que o local pode transmitir. “Temos possibilidades para criar ótimas experiências de consumo e isso requer infraestrutura e provedor de serviços. Há muito trabalho em conjunto que se pode fazer para trazer mais valor”, disse Karine durante o painel 5G: conectando a realidade ao virtual, no MWC.

Crescimento da XR
A Huawei prevê que, até 2025, chegará a 100 milhões de dispositivos embarcados, ou seja, comercializados. E o crescimento dos dispositivos XR (que abrange realidade virtual, aumentada e mista) é muito semelhante à expansão dos smartphones. “O preço de todos os nossos dispositivos já caiu para US $ 300, e é bastante acessível, graças às inovações contínuas nas tecnologias XR”, afirma o CMO de da unidade de negócios das operadoras da Huawei, Philip Song. As principais operadoras globais, segundo o CMO da Huawei, estão vendo os benefícios do desenvolvimento da Coréia do Sul, que tem saído da 4G para a 5G. A Coreia foi o primeiro país a ter rede 5G comercial, em 2019. A participação de mercado da operadora em tecnologias XR é de mais de 24% na Coreia do Sul. As operadoras devem desenvolver o modelo de negócios da XR. Há um potencial futuro nos próximos três anos a cinco anos”, afirma Song. E a XR, ao contrário do que se imagina popularmente, está longe de ser exclusiva para games. A tecnologia pode ser usada em setores como educação, saúde, finanças, na indústria de petróleo e gás, gerenciamento 3D e treinamento virtual. Essas aplicações estão entre os principais cenários. O executivo da Huawei diz que deve haver esforços contínuos dos operadores e parceiros técnicos por conta da previsível alta demanda de tráfego por causa da popularização do conteúdo XR.

Cortney Harding é fundadora da startup Friends With Holograms e afirma que trabalha na criação do futuro do treinamento. Para isso, diz, a 5G será fundamental para a implementação dessa visão de futuro. “A Friends With Holograms tem especialistas para alavancar as capacidades da tecnologia de VR de ponta para criar experiências de treinamento, com habilidades sociais imersivas e impactantes”, diz Cortney. Estamos no negócio de usar a realidade estendida para criar impacto social e mudar a equipe de líderes do setor, propõe a fundadora. “Somos especialistas em criar treinamento com soft skills, em criar realidade virtual. Nossa perspectiva é que o treinamento em realidade virtual seja a próxima melhor coisa depois do treinamento na vida real. O treinamento em VR pode encurtar os ciclos de treinamento. Temos algumas estatísticas muito boas sobre retenção de qualidade de aprendizado e melhorias de desempenho quando o treinamento é feito em VR. São números transformadores e isso é apenas o começo. Quando tivermos um sistema 5G robusto alimentando tudo isso, vai ficar ainda melhor. Me impressiona todos os dias que todas as empresas do planeta não estejam batendo na nossa porta ou na porta de outra pessoa que está fazendo o mesmo trabalho. Nos últimos dois anos, estivemos machucados juntos ou remotamente em casa e não se poderia fazer algo assim há dois anos. Ainda agora, embora as pessoas estejam começando a retornar ao escritório, muitas nunca voltarão, serão removidas para sempre. Você não pode pedir às pessoas voltar apenas para fazer algum treinamento. Elas vão resistir a isso. Com o VR, você vai ter apenas que enviar um fone de ouvido”, argumenta.

Avatar e metaverso
O que estamos falando sobre 5G e VR são as metáforas para, em alguns casos, daqui a alguns anos, diz o CEO da 8i, Hayes Mackaman. “Em primeiro lugar, bem-vindo ao metaverso como o vemos agora (o CEO se transformou em avatar durante a apresentação, online, direto da Califórnia). Achamos que há uma autenticidade necessária para torná-lo (o avatar) o futuro da internet. O objetivo é trazer autenticidade ao mundo digital de uma maneira que nunca foi feita antes. Estamos no mercado desde 2015 e fizemos muitas coisas em VR e AR e outros projetos, mas estamos realmente focados nessa comunicação, esse senso de presença e coisas dessa natureza e a boa notícia é quando se trata de fotorrealismo e sentido de presença. Mas, no metaverso, o futuro é volumétrico em tempo real, é fotorrealismo, é estar no mesmo lugar que a outra pessoa com quem está se comunicando. A noção de estar no mesmo lugar que alguém ao mesmo tempo é quase indescritível se você estiver em VR”, defende Mackaman. ”Temos trabalhado na transmissão ao vivo de esportes com a intenção de tentar lançar isso na segunda metade do ano para certos eventos esportivos. É uma tecnologia muito complicada porque você tem que não apenas usar uma infinidade de pontos de vista da câmera, mas você também precisa ser capaz de processá-la em menos de 3 segundos para que possa transmiti-lo aos usuários para obter o melhor dos benefícios e isso inclui ferramentas de produção virtual e outras coisas. A segunda coisa é música como transmissão. Procurando parceria na transmissão de música ao vivo para que possamos pré-gravar e transmitir o vídeo ao vivo. Também pode pegar um influenciador grande do TikTok que faça uma transmissão ao vivo para seus fãs. Ou nas mídias sociais. Tudo no no ambiente de AR ao vivo, por meio de seu dispositivo móvel”, afirma.

Para Mackaman, este é um momento estressante, mas será incrível. Estamos nessa indústria há quase seis anos e parece que os primeiros quatro anos foram meio que um trabalho árduo para saber a forma certa. Agora, com essas tecnologias se juntando às redes 5G, estou muito empolgado com o cenário para o metaverso da web, com 3D imersivo. Estamos em um ponto muito importante no tempo e estou convencido de que chegaremos ao próximo estágio”, diz.

Publicidade

Compartilhe

Patrocínio